Política

Gostaria de informá-la de que amanhã seremos mortos

Exma. Sra Presidenta Dilma Rousseff,

Gostaria de informá-la de que amanhã seremos mortos. Talvez nem amanhã, Presidenta. Talvez sejamos mortos hoje mesmo. Nós, os Kaíques desse país que a senhora comanda.

E gostaria também de dizer que o sangue que jorrará da brutalidade do crime vai acabar sujando seu tailler. Porque a senhora entende que ao não se colocar a favor da causa gay, ao se curvar à bancada evangélica e ao discurso homofóbico que ela promove, está incentivando esse tipo de crime, né? Desculpe lembrá-la disso, mas não há como separar as coisas.

Enquanto a senhora não se colocar, não disser claramente que homofobia é crime e que ser homossexual não é doença, enquanto a senhora permitir se violentar moralmente em troca de votos, ou se abster de lutar por uma lei que coíba esse tipo de crime, o sangue de nossos jovens gays assassinados respingará em seu tailler, que por sorte é suficientemente vermelho para não revelar o estrago. Mas já jorra muito sangue, Presidenta, e logo seu tailler vermelho já não poderá mais escondê-lo.

Vê-la subir a rampa e colocar a faixa no peito me fez chorar: uma mulher presidente do meu país. E eu, ingenuamente, pensei que a senhora faria valer os princípios esquerdistas pelos quais lutou tanto, e pelos quais estava disposta a morrer, e faria coisas boas em nome de causas femininas e homossexuais. Esperava para qualquer minuto que a senhora desse uma banana para a tal base evangélica e mostrasse suas verdadeiras cores.

Mas isso nunca aconteceu. Muito pelo contrário.

Em nome da tal governabilidade, essa palavra medonha e que deveria acabar na hora em que resvala no humanitário,  a senhora se calou. Gays continuam sendo assassinados, ou suicidados como prefere a policia de São Paulo, de forma brutal, covarde e inaceitável. E enquanto isso a senhora, calada, vai tomar café da manhã com Bolsonaros e Crivellas, esse arsenal de preconceito a quem a senhora chamou para ocupar um ministério em sua administração.

Quero acreditar que esse silêncio a incomode. Tem que incomodar, ou a senhora não é a mesma que lutou por tudo o que lutou.   Naturalmente, algum assessor já a informou que o Brasil é hoje o país com a maior quantidade de crimes de homofobia no mundo, certo? E que a cada 36 horas um homossexual é morto nesse Brasilzão que a senhora comanda. Assassinado apenas por fazer amor com pessoas do mesmo sexo. Ou por exibir trejeitos considerados anormais pelo macho-alfa dominante, esse mesmo que a torturou há tantos anos. Acontece com os gays hoje exatamente como aconteceu com negros, que já foram mortos apenas pela cor da pele, e com mulheres, queimadas em fogueiras públicas apenas por emitirem opinião. E o que a senhora fez até agora em nome dessa minha gente? Bateu continência para Felicianos e Crivellas e Bolsonaros.

A Dilma de meu imaginário não gosta de ser obrigada a fazer isso. A Dilma de meu imaginário chega em casa e chuta a parede, soca a almofada, arremessa copos ao chão toda a vez que se vê obrigada, em nome da tal governabilidade, a se curvar a essa turma de ignorantes e intolerantes. Mas a Dilma Presidenta acha que esse é o mal menor já que a Dilma Presidenta quer votos para se reeleger, mesmo que eles custem parte de seu código ético.

Deixa eu dizer uma coisa para a senhora, Presidenta. O Brasil é hoje um pais menos desigual graças às políticas sociais que seu partido implantou. O Brasil é hoje um pais levado um pouco mais a sério muito também por causa da década de comando petista. Os números são inequívocos, a senhora será reeleita, até porque, convenhamos, a oposição que se apresenta é dessas coisas doces de ser batida. Não sou estrategista de droga nenhuma, mas não seria hora de a senhora se colocar, fazer valer seus princípios?

E sempre haverá evangélico a votar na senhora, porque nem todos são ignorantes como alguns de seus líderes. Conheço muitos, aliás, que acreditam em um Deus não punitivo, em um Deus que sabe que o amor é a maior das forças do mundo e que, por isso, qualquer forma de amor jamais pode ser entendida como equivocada ou merecerá a danação.

Não é possível que a história do assassinato-suicidante do garoto Kaíque não a tenha comovido, ou é? A senhora leu a respeito, certo? Viu as fotos? A idade do menino? O que disse a polícia paulista? Não é hora de dar um basta nisso, presidenta? Não é hora de bater no peito e chamar essa para a senhora, para aquela Dilma que não se deixou matar por torturadores porque queria lutar por um país livre? Pois está em suas mãos nos libertar agora. De que lado a senhora está? Do dos torturadores ou do lado de suas vítimas?

O Brasil precisa de um presidente que se coloque pelos gays, que são os negros e os judeus de hoje. O Brasil precisa de um líder que nos humanize, que nos veja, que nos reconheça. O Brasil precisa disso tanto quanto de geladeiras e de aparelhos de TV e de escolas e de hospitais.

Iniciar uma batalha pelo fim da intolerância é o maior dos legados que a senhora pode deixar. A senhora sabe a importância do pioneirismo de uma atitude como essa. E a senhora sabe que ter uma mulher que se coloque à frente dessa intolerância ancestral seria um passo gigantesco para mais de uma causa apenas. Por que não? Por que não agora? Por que não a senhora? Estamos sendo assassinados, Presidenta. Nossos jovens estão sendo assassinados, e não há sequer uma lei que nos proteja de agressões, sejam elas verbais ou físicas. Vamos lá, Presidenta, não nos deixe aqui à deriva.

Os grandes heróis, Presidenta, nascem nas horas de maior sofrimento coletivo porque são feitos de um material que sabe desde sempre que somos todos iguais, a despeito da cor da pele, do órgão sexual, da crença religiosa, da orientação sexual. Os grandes líderes dão esse recado a seu povo, e depois, como heróis, conduzem sua gente para o entendimento da nova ordem. O grande líder entende que, como escreveu Einstein, “um ser humano é parte de um todo chamado por nós de Universo, uma parte limitada no tempo e no espaço. Ele experiencia a si mesmo,  seus pensamentos e sentimentos como alguma coisa separada do resto – uma espécie de ilusão de ótica de sua consciência. Essa ilusão é uma forma de prisão para nós, restringindo-nos aos nossos desejos pessoais e à afeição por umas poucas pessoas próximas. Nossa tarefa deve ser a de nos libertarmos dessa prisão alargando nossos círculos de compaixão para envolver todas as criaturas vivas e o todo da natureza em sua beleza”. Estamos aqui precisando de um grande líder, que interrompa essa matança, Presidenta. Porque amanhã, ou hoje mesmo, seremos mortos.

A primeira frase desse texto, Presidenta, foi roubada do título de um livro sensacional, escrito pelo jornalista americano Philip Gourevitch, que passou três anos em Ruanda e saiu de lá com uma obra-prima a respeito da infinita capacidade que o ser humano tem para odiar e dizimar: “Gostaríamos de informá-los de que amanhã seremos mortos com nossas famílias”. Trata do genocídio em Ruanda na década de 90, um dos crimes contra a humanidade mais perversos já cometidos, comparado apenas ao Holocausto, mas não tão comentado e chorado porque, afinal, é uma história cujos protagonistas são negros e africanos e… a senhora sabe… mas preciso deixar isso para lá porque o preconceito sobre o qual quero falar aqui é outro. Em todo o caso, fica a dica, Presidenta: “Amanhã seremos mortos”

#            #            #

3 pensamentos sobre “Gostaria de informá-la de que amanhã seremos mortos

  1. Vou compartilhar com sua permissão. Nem sei dizer de que pedaço desse “escrito” gostei mais porque me fez pensar profundamente. Você escreve muito bem. E digo isso não porque gramaticalmente é um texto correto. Afirmo que está muito bem escrito pela forma como a verdade de que trata é colocada: dentro de um contexto atualíssimo socialmente, politicamente, humanamente.

    Curtir

  2. Hoje, dia 16/04/16 acho que qq voto contra o impeachment será válido não?
    Isso é política, isso é democracia, todos devem ter suas vozes aceitas e o bem da maioria deve ser prevalecer, resguardado os direitos das minorias que sempre devem valer.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s