Comportamento/Política/Vida

O corrupto sou eu

Dia de eleição e as redes sociais são inundadas por mensagens indignadas postadas por brasileiros honestos que se manifestam contra a corrupção. Amigos, amigas, amigos de amigos todos apelam para que votemos corretamente – ou seja, para que não elejamos corruptos. Imagens cheias de graça, com o rosto dos candidatos repletos de interferências e frases de efeito bem sacadinhas (na verdade, apenas bobinhas) exigem o fim da roubalheira. O problema do Brasil – de acordo com as redes sociais na véspera da eleição – é a corrupção. O recado é: resolvido isso resolveremos tudo. Vai, Brasil. Muda, Brasil. Vota certo, Brasil.

Para quem se dispõe a analisar a questão um pouco mais a fundo fica claro que embora a corrupção seja um problema ela é ainda mais grotesca quando usada para esconder outros problemas, alguns ainda maiores.

O povo que sai gritando contra a corrupção e “a favor do Brasil” talvez não saiba que ela lesa os cofres públicos cinco vezes menos do que a sonegação fiscal. Em 2013, a sonegação custou 415 bilhões aos cofres públicos, enquanto a corrupção torrou aproximadamente 80 bilhões no mesmo período. Para que comparemos com um continente usualmente reverenciado pela galera que se levanta exclusivamente contra a corrupção, a Europa perde anualmente 400 bilhões (de reais) para a corrupção.

Outra coisa que a turma de “vamos votar de amarelo para mostrar que não aguentamos mais tanta corrupção” se esquece de dizer é que para cada corrupto há pelo menos um corruptor – esse vindo do setor privado, segmento tão amado pelo neo-liberal patriota. Então, apenas para fins de coerência moral, seria legal se essa turma que se revolta contra o corrupto colocasse na mesma indignação o corruptor porque não existe um sem o outro. Tipo: Grita “Pelo fim do político corrupto!” mas em seguida grita: “Pelo fim do empresário corruptor!”. Nas redes sociais que eu frequento todo mundo se esqueceu do corruptor, mas fica a dica para 26 de outubro.

E, claro, se o problema é o absurdo de o dinheiro ser desviado dos cofres públicos é também hora de gritar contra o sonegador porque o dinheiro que ele omite da declaração e os truques usados para pagar menos imposto também são desvios de dinheiro público já que, por lei, esse dinheiro deveria ser entregue ao governo.

E aqui não cabe discutir se o imposto é alto ou não porque estamos falando de burlar a lei. O que vale é lembrar que, historicamente, quem mais sonega é quem mais arrecada. Ou, visto por outro ângulo, quem menos precisa do dinheiro. (Fica aqui outra dica para os indignados que no dia 26 de outubro vão sair postando mensagens contra a corrupção em redes sociais: faz aí uma mensagenzinha descendo a lenha no sonegador também).

A diferença entre eles é que o sonegador fere cinco vezes mais a economia do Brasil do que o corrupto, especialmente se considerarmos que boa parte dessa grana nem no país fica (nações em desenvolvimento como a nossa perdem um trilhão de dólares para a evasão fiscal).

Tirando o fato de um crime custar cinco vezes mais à economia do que o outro, existe diferença entre o corrupto e o sonegador se eles praticam a mesma malandragem?

Mas a gente pode ir um pouco mas fundo nesse raciocínio e fazer com que ele fique dolorido.

Quem nunca deu aquela sonegada? Quem nunca pensou: ah, nem fudendo vou dar toda essa grana para o governo. O dinheiro some mesmo, melhor que fique comigo do que com político ladrão, até porque tô bem a fim de trocar de carro. Quem nunca comprou sem nota fiscal, ou vendeu imóvel por um preço menor no papel ou deu aquela ajeitadinha marota na declaração?

A despeito do que achemos que acontece com o dinheiro quando ele sai de nossas mãos e vai para o governo não nos é dado o direito de cometer um crime porque “faremos um melhor uso desse dinheiro”; assim como não é dado o direito a uma mãe de roubar leite para que seu filho possa se alimentar, ainda que esse segundo crime seja infinitamente menos imoral do que o da sonegação.

Como temos a ousadia de nos colocar em balaios diferentes do político que rouba grana do povo? “Sou homem, nada do que é humano é alheio a mim” (Terêncio, 170 A.C). Um conceito básico de moralidade é julgar a nós mesmos com os mesmos valores éticos que julgamos os outros, mas raramente fazemos isso. O sonegador se justifica silenciosamente: “sonego porque o governo roubaria esse dinheiro, e o governo não pode roubar. Isso é imoral”. Quais serão as justificativas do corrupto a fim de dar aquela moralizada no roubo? Ele certamente as tem, assim como o corruptor também construirá as suas.

A verdade é que o que todos queremos é um dinheiro a mais no bolso e justificamos dizendo que o dinheiro não chegaria mesmo a quem mais precisa dele – exatamente como o político, e em detrimento de dar uma chance para que esse dinheiro seja usado em projetos sociais, ou em saúde, ou em infra-estrutura ou seja lá onde for. A escolha é entre manter a grana com a gente para os mais devidos usos particulares ou dar uma chance para que ela seja usada em benefício da comunidade. A gente se ilude com a convicção de que ela pararia mesmo no bolso de algum político corrupto, então dane-se.

Podemos deixar a reflexão ainda mais dolorida se analisarmos a corrupção como um desvio de conduta, uma deslealdade com o próximo já que, ao sonegar, nem damos a oportunidade para que a grana seja usada em benefício de uma comunidade mais carente. Quem anda pelo acostamento da estrada está cometendo um desvio de conduta e dando uma banana para o camarada que, não indo pelo acostamento, terá que ficar mais tempo no trânsito porque o desvio de conduta do malandro do acostamento lá na frente vai virar funil e o funil deixa o trânsito ainda mais lento para o otário que não trafegou ilegalmente pelo acostamento.

Quem para em fila dupla está cometendo igualmente um desvio de conduta. Quem falsifica carteirinha estudantil também. Ciclistas que saem das ruas e vão para a calçada idem. Podemos continuar esse raciocínio indefinidamente. Que comportamento teríamos nós, os capazes de cometer desvios de conduta por menores que sejam, diante da chance de nos corromper? Existe diferença entre os mais variados tipos de desvios éticos? Existe uma tabela de peso moral para diferentes desvios? O pequeno pode, o grande não? Somos assim tão melhores do que o outro? Como saber de que forma agiríamos no lugar deles se burlar a lei não parece ser um problema no dia-a-dia?

Para todos os desvios sempre haverá uma explicação porque, afinal, não somos maus e eu precisei ir pelo acostamento porque estava atrasado e sinto muito se coloquei em risco a vida de alguém fazendo isso, ou se deixei o trânsito ainda pior para o cara que agiu corretamente, mas tento ir com atenção porque não sou uma pessoa má, apenas tinha um compromisso e o trânsito estava me ferrando.

No fim do dia fica apenas uma certeza: todos os desvios são criminosos e imorais ainda que justificáveis.

Então, temos duas opções. Ou paramos com esse discurso infantilizado, superficial e incompleto de que o problema do Brasil é político corrupto, ou mudamos de atitude, nos incluímos no problema e passamos a ser e executar as mudanças que gostaríamos de ver no país. Em vez de sair pela rua com cartazes “o problema do Brasil é a corrupção” talvez devêssemos fazer outros que digam “o problema do Brasil sou eu”.

Mas, mais importante, é entender que enquanto todos nós formos corruptos, corruptíveis e corruptores – em pequenos ou grandes níveis – as coisas dificilmente mudarão. Um pouco de hipocrisia talvez seja essencial para que vivamos em comunidade, mas altas doses de hipocrisia corroem uma sociedade — de cima para baixo.

34 pensamentos sobre “O corrupto sou eu

    • Então, temos duas opções. Ou paramos com esse discurso infantilizado, superficial e incompleto de que o problema do Brasil é político corrupto, ou mudamos de atitude, nos incluímos no problema e passamos a ser e executar as mudanças que gostaríamos de ver no país. Em vez de sair pela rua com cartazes “o problema do Brasil é a corrupção” talvez devêssemos fazer outros que digam “o problema do Brasil sou eu”.

      Mas, mais importante, é entender que enquanto todos nós formos corruptos, corruptíveis e corruptores – em pequenos ou grandes níveis – as coisas dificilmente mudarão. Um pouco de hipocrisia talvez seja essencial para que vivamos em comunidade, mas altas doses de hipocrisia corroem uma sociedade — de cima para baixo.
      EU DIGO ,O PROBLEMA DO BRASIL SOU EU,SOMOS NÓS DE ENGOLIMOS ESSES ANOS TODO AS FAROFAS DO PT. CHEGOu A HORA DA MUDANÇA. OU NÃO SABES TU, QUE PRA TUDO TEM UM TEMPO E MODO. é INFANTIL////?/// e daí? A dose de hipocrisia do pt ta alta demais pra suportar,uma pequena tudo bem,né!?

      Curtir

  1. Adorei, Milly! Lembrei de um professor de Sociologia dos meus tempos na faculdade de jornalismo: não há como cobrar menos corrupção praticando-a, ainda que a mesma seja um ato “pequeno” como dirigir em sentido oposto ou após beber uma lata de cerveja.

    Abraços!

    Curtir

  2. Parabéns, sempre contundente e precisa. São afirmações lógicas e fundamentadas, porém os ditos “mais instruidos” das redes sociais vão vociferar (ódio e preconceito) em breve. Aguarde!!!

    Curtir

  3. Grande texto Milly, parabéns. Será que os corruptores estão investindo nos institutos de pesquisa tb? A cada pesquisa divulgada (ou até antes da divulgação) a bolsa sobe e o dólar desce ou ao contrário dependendo de quem está na frente. Quem será que ganha com esta especulação ? . . .

    Curtir

  4. Milly muito bem colocado suas palavras, o roubo de $1 ou $1.000.000 não faz diferença ao menos para quem sofre o prejuízo, a atitude do ato é que nos define, e claro me incluo nesse texto por compras em shopping popular, produto de “2ª mão sem procedência,” e outros como solicitar vale transporte a mais do que necessitamos pra trabalhar, “gato” de tv, água e luz, bons modos como não utilizar locais prioritários nos transportes públicos e comércios … enfim, uma infinidade de coisas que já são culturais, crescemos com isso e muitos nem pensam que é errado por que o exemplo começa em casa. Termino o texto de “cara lavada” meus parabéns, já indiquei aos amigos, inimigos rss.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Infelizmente esse Brasil está repleto de pessoas que sabem criticar e nada fazem em favor da sociedade que vive. Se diz honesto, mas vai ao paraguay comprar muamba pra vender, trocar pneu do carro, trazer remédios para impotência sexual. Esse é tão safado quanto aqueles que estão no governo. Como diz Milly… O que não seriam capazes se estivessem no lugar daqueles que critica sem qualquer conhecimento ou ética. Parabéns Milly, com você acrescentamos muito.

    Curtir

  6. Visitando o blog por recomendação do amigo Mauro Gouvêa. Maravilhosa reflexão, perfeita!
    Parabéns pelo blog e obrigada pelo prazer da leitura.

    Curtir

  7. Milly, inveja também entra nesses desvios de conduta? Então, preciso me confessar. Fiquei com uma baita inveja, não dos seus artigos, mas pela forma simples, leve, direta e suave que você escreve e se expressa. Minhas posições políticas já mal definiram meu caráter diante de alguns amigos que acham que por apoiar o PT compactuo com a corrupção. O que está no teu artigo é exatamente o que penso comigo quando recebo os achincalhes. Felizmente, apesar de inflamado no discurso, sou suave na ação. Se me permite uma constatação, há vida fora da grande mídia.

    Curtido por 1 pessoa

  8. Eu tenho a mesma consideração porque gente inteligente que conheço, não apenas vota no PT, o que considero normal pelo fato de ter que se fazer uma escolha, mas defende-o. Primeira falácia, “nunca antes na história deste país”. Estas pessoas consideram a história antes e depois do PT, o que na verdade é antes e depois da estabilização da moeda. A vida de todos os brasileiros mudaram depois disto. Segunda falácia. Todo o mundo roubou deste de Cabral, não considero corrupção normal e quem admite é conivente (vai ser até o dia que isso lhe prejudicar diretamente), posso elencar uma dúzia de prefeituras que o PT pilhou, inclusive com morte de quem era contrário suas ações. Terceira, O PT não quer transformar o país em uma ditadura, quer sim. No cerne da liderança do PT, ideologias mofadas aguardam momento de serem ressuscitadas.

    Curtir

  9. Entendo que corrupção existe desde o descobrimento do Brasil e a comissão para os partidos também não é novidade. O que você não menciona no seu texto é o enriquecimento do filho do Lula. E quanto aos 13 anos, tudo faz parte de um processo, simbiose…. Acredito que a renovação é a melhor coisa a se fazer…

    Curtir

    • …então…vamos construir mais aeroportos para todos os fazendeiros com o dinheiro do governo e presenteá-los neste Natal…parabéns por essa maneira tão moderna de pensar…

      Curtir

  10. JÁ FUI PETISTA, E MUITO, MAS HOJE QUERO TODO MUNDO FORA, A CADA 4 ANOS. SE NÃO FIZEREM NADA REALMENTE BOM PARA O PAÍS, NEM “ESQUENTARÃO” A CADEIRA, PARA PENSAR EM ROUBAR. SÓ ASSIM ENTENDERÃO E MUDAREMOS TUDO ISSO. O RS QUE O DIGA

    Curtir

  11. Pingback: Porque eu mudei de ideia. | Lentes Rígidas

  12. Milly, excelente.. sempre achei o que vc escreveu:”Em 2013, a sonegação custou 415 bilhões aos cofres públicos, enquanto a corrupção torrou aproximadamente 80 bilhões no mesmo período. Para que comparemos com um continente usualmente reverenciado pela galera que se levanta exclusivamente contra a corrupção, a Europa perde anualmente 400 bilhões (de reais) para a corrupção.”

    onde eu pesquiso sobre esses dados sonegaçao x corrupção ?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s