Uncategorized

Pelo fim do diálogo

Acho que chegou a hora de a gente admitir que não há mais espaço para diálogo. Nunca houve, aliás. Porque não se dialoga com racistas, com nazistas, como fascistas, como homofóbicos. O que estamos fazendo ao confundir liberdade de expressão com liberdade de opressão é criar ambiente para que homens brancos hétero-normativizados, esses que dominam o mundo há séculos, achem que podem sair às ruas e cantar seus ódios livremente. Não, não podem. Não deveriam poder.

A preguiça em relação ao politicamente correto é uma preguiça ignorante. É chato ser o politicamente correto da turma e ficar corrigindo todo mundo a toda hora, claro, mas é mais chato que uma mulher seja estuprada a cada 11 minutos, é mais chato que mesmo depois de termos passado pelo Holocausto ainda haja nazistas que se orgulhem de ser nazistas e saiam livremente por aí entoando seu ódio, é mais chato que todos os dias homens, mulheres e crianças precisem fugir de suas casas devastadas pela força bruta do capitalismo e se aventurar a  cruzar uma fronteira para serem recebidos como baratas, é mais chato que a população carcerária do mundo seja majoritariamente negra, mais chato que negros na periferia sejam assassinados todos os dias pela polícia sem que nada aconteça, é mais chato que uma mulher não ganhe o mesmo que um homem exercendo a mesma função, mais chato que o Brasil seja o país que mais mata travestis no planeta, mais chato que muçulmanos sejam confundidos com terroristas se o terrorismo branco é o que mais dizima há muitos e muitos anos, mais chato que a maior potência mundial tenha eleito um nazista-homofóbico-racista como líder, mais chato que o prefeito de São Paulo acorde morador de rua de madrugada com jatos de água fria., mais chato que Rafael Braga ainda esteja preso e que bandidos de pele branca, terno e gravata estejam em Brasília fazendo leis e vivendo livremente. Tudo isso é mais chato do que ser politicamente correto.

Não se abre debate com fascistas. O que é preciso fazer é, a cada dia mais, ser o chato e levantar da mesa quando aquele primo otário fizer piada racista ou homofóbica. É preciso ser o maluco que na padaria, ao escutar o rapaz da mesa ao lado fazer um comentário preconceituoso, levante e voz e diga, Chega de falar merda. É preciso ser o chato que, na fila do embarque, ao escutar o homem que está atrás de você destilar alegremente seus discurso machista para a atendente da companhia aérea que está apenas fazendo seu trabalho e recolhendo os documentos, vire para trás e diga, Deixa de ser babaca. É preciso ser o chato que, no restaurante, ao testemunhar a madame tratar o garçom com desleixo e arrogância diga em voz alta, Leva esse seu classismo para casa e deixa ele escondido, minha senhora.

É preciso entender que acabou a tentativa de diálogo com essa turma. E que chato é viver num mundo que oprime, reprime e naturaliza o preconceito a ponto de fazer parecer bastante normal que, em 2017, nazistas saiam as ruas para celebrar seu ódio.

10 pensamentos sobre “Pelo fim do diálogo

  1. Como te admiro. Parabéns pela lucidez e precisão, não é de hoje que você é uma das melhores coisas desse mundo podre.

    Curtir

  2. Como esses nazistas estão conseguindo transformar suas atitudes e discursos em ideias dominantes, acho que, de fato, passou da hora de reagirmos no dia-a-dia, demonstrando que suas ideias não são compatíveis com padrões mínimos de civilidade. Mas sinto-me entrando numa guerra.

    Curtir

  3. Muito bom Sônia. O difícil é quando essas ideias atrasadas e doentes parecem estar tomando conta do planeta. Vamos precisar ir além do politicamente correto, mas o que fazer, infelizmente, não sei, apesar de me perguntar todos os dias …

    Curtir

  4. Excelente texto. Simples, profundo, direto ao ponto. Vou levar pra escola de ensino médio onde trabalho para discutir com os alunos. Beijos politicamente corretos.🌹🌹🌹

    Curtir

  5. Péssimo!!! Seus textos refletem seu egocentrismo e pouca empatia. A tentativa de se fazer escutar só mostra seu narcisismo e intolerancia ao que é diferente de você ou da forma como você pensa. Como escritora, é uma ótima bailarina.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s