Comportamento/Economia/Política/Vida

Sitiados pelo judiciário

Se existe alguma coisa boa em viver em tempos sombrios como esses talvez seja a oportunidade que temos de nos educar e entender os motivos de tanto horror. Nas horas mais penosas surgem vozes lúcidas mas pouco divulgadas porque elas explicam aquilo que as instituições não querem que percebamos. O professor de direito penal Mauricio Dieter é uma dessas vozes. Em entrevista ao programa Voz Ativa, da Rede Minas, ele faz um resumo bastante explicativo a respeito de alguns dos absurdos jurídicos que estão nos sitiando. A entrevista tem quase 1h30min e vale ser assistida. Vou fazer aqui um resumão de declarações dadas por Dieter, que é professor da USP, durante a primeira parte da entrevista.

O que é preciso perceber, antes de mais nada, é que a despeito de Lula ser ou não culpado de alguma coisa, de qualquer coisa, ele está sendo submetido a um julgamento injusto. E que, nesse sentido, Lula somos você e eu porque não há ditadura mais perigosa do que aquela que se veste em togas. Não há como perseguir justiça quando a hipótese se sobrepõe ao fato. “Se faltam provas da hipótese que o juiz acredita ser verdadeira, se os fatos provados não vão de encontro à fé do inquisidor, o juiz passa a acreditar que a culpa dessa ausência de provas é do investigado ou acusado”, explicou o jurista Rubens Casara.

É a mentalidade inquisitorial, essa que tanto estudamos em livros de história como se ela morasse no passado e em mais lugar algum. O autoritarismo não serve para calar nossos inimigos porque ele, mais cedo do que tarde, acabará calando nossos amigos e, por fim, a nós mesmos. A menos, claro, que você faça parte de uma minúscula elite que detém o poder econômico e o capital financeiro. Nesse caso, você estará salvo ou salva, mas viverá para sempre aprisionado em um castelo vazio e sem significado, feito de imoralidade e de solidão. Para o resto da nação, para todos nós dependemos de um salário para pagar contas, a despeito de ideologia ou da opinião política, esse cenário de autoritarismo é devastador. Por isso, entender o que acontece entre Moro e Lula de forma técnica e apurada é importante.

Mauricio Dieter começa explicando que toda a sentença tem uma primeira parte que é um relatório, que analisa evidências, pondera argumentos e trata de questões preliminares. Depois, a sentença traz a análise do mérito, ou seja: a avaliação se há adequação entre os fatos e as imputações dos crimes, e então, em caso de condenação, uma parte final, que é a dosimetria. Sobre a sentença que Moro deu a Lula no caso do Triplex ele diz:

“Tratando especificamente da dosimetria a sentença é errada porque ela viola um princípio básico do estado democrático de direito que é o princípio da culpabilidade na expressão da dosimetria, que diz que você não pode ser julgado, condenado, censurado pelo que você é, mas apenas pelo que você fez. E em pelo menos dois elementos articulados ali, especialmente o da personalidade, há um juízo sobre o que o juiz Sergio Moro supõe ser o ex-presidente, então ele projeta para o ex-presidente uma série de estigmas, de comportamentos que ele supõe que pode fazer como diagnóstico. Tá errado. A sentença da dosimetria ela também erra num ponto que é mais técnico porque ela soma a condenação por corrupção com a condenação por lavagem de dinheiro como se fosse curso material, que é quando você tem uma multiplicidade de ações, que caracterizam diferentes crimes e que se espalham no tempo. No caso não é possível um curso material de corrupção e lavagem porque para a sentença o que foi lavado e o que se lavou é a mesma coisa. Como pode o objeto da lavagem constituir lavagem de dinheiro? (…) Me parece claro que ele fez uma sentença dirigida contra o ex presidente”.

“Há motivos de sobra para que essa sentença seja anulada. Se confirmada sem nenhuma reforma, ainda que parcial e ainda que apenas na parte da dosimetria, o judiciário vai ter deixado claro que é possível condenar pessoas sem obedecer os critérios legais para tanto”

“O direito não é uma ciência como as ciências naturais. É uma técnica então diante de problemas complexos você tem princípios que orientam a produção de significado dos termos jurídicos e uma série de previsões normativas que são ou não adequadas para atender aquela questão. Fazer uma análise técnica da sentença do juiz Sergio Moro contra o ex-presidente Lula requer um certo esforço porque você vai ter que, numa falsa ingenuidade, abstrair a questão política, mas acho que é possível analisar a sentença pelo seu mérito técnico, e é ai onde está  seu demérito porque ela não tem nenhum dos pressupostos mínimos de tecnicidade”

“Especificamente do caso da acusação de corrupção [que envolve o triplex do Guarujá] é absolutamente impossível [que ela faça sentido jurídico] porque são três verbos definidos no tipo legal do crime e nenhum deles aconteceu. Primeiro ele [Lula] não pode ter recebido vantagem ou promessa porque o apartamento não estava pronto. Então receber implica que é receber propriedade que você pode usar, gozar, dispor, fluir… ele não tem como exercer direitos proprietários se o apartamento não existe, não foi entregue. O segundo ponto: não há prova de que ele tenha solicitado isso. A sentença menciona conversas entre o Sr. Paulo Okamoto e João Vaccari Neto com Leo Pinheiro que dizem que [ambos] deixaram claro que o ex-presidente teria interesse [no apartamento]. Como se dissessem para a construtora: “por que vocês não fazem a reforma desse triplex que é capaz que agrade aos olhos do presidente?” Algo implícito, mas você não tem prova nenhuma de que o ex-presidente sabia disso ou queria isso. Pelo contrário. As evidências que nós temos indicam que ele não queria esse apartamento e inclusive uma declaração que foi sumariamente desconsiderada, mas que é bastante crível, é aquela em que [Lula] dizia: “Olha, se eu for a praia no Guarujá metade das pessoas me mata e metade me abraça, paz eu não vou ter, então eu não quero esse apartamento”. Também é estranho que uma pessoa vá receber um apartamento mobiliado para uso pessoal e que toda a decoração tenha sido feita, cozinha, sala … e [os interessados] não foram visitar nenhum dos lugares que iriam mobiliar. Não me parece uma atitude de alguém interessado no apartamento. Aí você pode dizer: mas isso não quer dizer nada. Ok, mas se isso não quer dizer nada a favor também não pode ser usado contra, e foi isso o que a sentença fez. Olha o nível de suposição: a sentença diz que o desinteresse pelo apartamento era parte da estratégia para poder tê-lo. É uma inversão absoluta. As evidências então indicam que ele não recebeu porque é logicamente impossível [que ele tenha recebido]. Mas não adianta insistir nessa tecla porque não é disso que se trata, então ele não recebeu e não solicitou, e aí vem a hipótese mais temerária, que é a de ele ter aceito a promessa [do apartamento]. Vamos esgarçar as evidências que nós temos e dizer que sim, seria possível supor, ainda que não seja possível condenar alguém por isso, mas vamos fazer um exercício mental de que seria possível presumir de que [Lula] tenha aceito a promessa de um upgrade no apartamento que ele estava financiando para um superior. O problema aí é o seguinte: a corrupção exige o que se chama de quid-pro-quo, que é: uma coisa pela outra. Eu te dou um apartamento e você me dá um contrato na Petrobras. Isso não tem [no caso]. E aí para contornar [a ausência do quid-pro-quo] o juiz Sergio Moro vai numa teoria que está errada e foi mal utilizada, que diz que o fato de [Lula] estar na condição do cargo publico já é em si um ato de corrupção. Não é. Ele teria que ter prometido ou dado algo como vantagem. Mas como [Moro] não achou isso ele fez essa remissão torta, e se referindo especialmente a dois precedentes estadounidense em que ele convenientemente não percebe que o crime que está em jogo não é bribery (corrupção), é extorison (extorsão) e essa é uma diferença importante porque bribery exige o quid pro quo, e mesmo no caso de extorsion que estava sob análise em um desses casos, há o recebimento de dinheiro, o que no caso [de Lula] não teve. Então, para contornar problemas reais do direito penal brasileiro foi feito um mau uso, uso equivocado, de teorias estrangeiras. E ai vamos chegar num outro ponto que tem sido constante em toda a operação da Lava Jato, que é a falsa erudição das pessoas que estão lá e que ficam citando teorias ou precedentes que elas não sentaram para estudar”

Em seguida, falando do peso que o Ministério Público tem hoje na forma como se faz política no Brasil, e na ideia coletiva de que punições levam a prevenções, ele diz enfaticamente que a ideia de que punição tem ligação direta com a prevenção de crimes é estapafúrdia. Citando um ex-professor, Dieter explica para todos nós, civis, o que é o Direito Penal na dinâmica da prevenção: “O direito penal é como o Junior Baiano, chega tarde e com violência. É uma asneira pensar que a impunidade é a causa do crime”.

Aqui a entrevista completa.

4 pensamentos sobre “Sitiados pelo judiciário

  1. Para Prever o Futuro basta Olhar o Passado!
    Tenho 50 anos e vivi a era em que tinhamos uma inflação de 80% ao mês. E pergunto pois:
    Se ao chegar ao poder o Sr Lula, não tivesse encontrado uma situação econômica (a melhor que já vivi) Boa, teria sido ele capaz de propor algo realmente bom para a economia brasileira?
    Dar louros para quem encontrou a casa próspera é fácil, quero ver arrumar a Bagunça!
    Injusto, e vergonhoso é ter enriquecido a Si e a sua família, Injusto foram os desmandos INCLUSIVE com a classe Jornalista (como bem “deveria” saber a senhora)

    Falar de Injustiça, vou te falar da opressão que o meu setor ainda sente os efeitos dos ultimos tempos dos (des)governo PT.

    Não sou partidária, sou apenas uma brasileira, cabeleireira que vi meu setor, meu poder aquisitivo, ir a banca rota nos ultimos anos¹

    Falar em Injustiça!

    Um dia ouvi sua entrevista na Joven Pan sobre seu livro, e tinha curtido.
    Agora já acho sua atitude no comentario no INSTAGRAM.

    Dizendo para uma pessoa VAZA.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s